sábado, 11 de dezembro de 2021

Novo Ensino Médio exigirá mudanças nas provas do Enem a partir de 2024

Link para texto completo: https://gauchazh.clicrbs.com.br/educacao-e-emprego/noticia/2021/11/novo-ensino-medio-exigira-mudancas-nas-provas-do-enem-a-partir-de-2024-entenda-ckvsj4ea8007701gjkp0bs289.html#:~:text=A%20proposta%20do%20parecer%20da,Aplicadas%2C%20para%20cursos%20de%20Economia%2C

Resumo:

Ainda em análise, proposta prevê aplicação de um teste de conhecimentos gerais
e outro dividido em quatro áreas profissionais.

Em meio a pedidos de demissão no Inep, foram apresentadas na segunda-feira (08.12.2021), no Conselho Nacional de Educação (CNE) as recomendações para o novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que deve ser aplicado a partir de 2024. O Estadão teve acesso ao documento que indica que a prova deve ter duas etapas, uma de conhecimentos gerais e outra dividida em quatro áreas profissionais.
A mudança no Enem é uma exigência da lei porque a partir de 2022 as escolas precisam oferecer o novo Ensino Médio, que dará flexibilidade aos alunos para escolher parte do currículo, de acordo com suas preferências e aspirações de trabalho. A nova prova terá, portanto, de avaliar também essa nova formação.
A proposta do parecer da ex-presidente do CNE Maria Helena Guimarães de Castro é que a segunda etapa do Enem seja dividida em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática (Stem), classificando alunos para cursos das Engenharias, Química, Computação, entre outros; Ciências Sociais Aplicadas, para cursos de Economia, Administração, Direito; Humanidades, Linguagens e Artes, para cursos de Filosofia, História, Pedagogia, entre outros; e Ciências Biológicas e Saúde, para cursos de Medicina, Enfermagem, Meio Ambiente, entre outros.
O documento entra em consulta pública nesta quarta-feira (10.12.2021) e será votado no conselho em dezembro. Não foi proposta uma prova específica para quem optar por fazer ensino Técnico com o Médio.
Se aprovado, o Inep deve começar a elaborar o exame a partir dessas diretrizes. Com a debandada de mais de 30 servidores que pediram exoneração dos cargos, a preocupação de Maria Helena é "como e quando" isso seria feito.
— O MEC precisa se preparar, contratar consultores, fazer investimento em dinheiro e técnico para ter um novo banco de itens (perguntas da prova) — disse.
O parecer diz ainda que a prova pode ter questões dissertativas e não apenas de múltipla escolha.
Maria Helena ouviu secretarias, entidades, universidades e analisou um estudo de experiências internacionais feito pela consultoria Vozes da Educação com apoio do Itaú Educação e Trabalho. Muitos dos países analisados têm uma prova geral e outra com escolha dos estudantes. A maioria tem questões discursivas e algumas orais, como na França e no Reino Unido. China e Alemanha descentralizam a organização do exame, apesar de ele ser nacional.

Comentário: Aguardemos as definições. Pode ser que nada disso seja aceito e que venha uma outra proposta radicalmente diferente. Particularmente sou a favor de provas específicas, mas pela estrutura do processo creio que questões de Múltipla Escolha seriam melhores do que questões discursivas. Correção por Inteligência Artificial, como "sonham" seria muito complexo.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

Irã avança no enriquecimento de urânio em meio a negociações sobre acordo nuclear

Link para texto completo: www.maisgoias.com.br/ira-avanca-no-enriquecimento-de-uranio-em-meio-a-negociacoes-sobre-acordo-nuclear/

Resumo: O Irã começou a enriquecer urânio com centrífugas avançadas mais eficientes na planta de Fordow, afirmou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) nesta quarta-feira (01/12/2021), prejudicando o acordo nuclear de 2015, cujas negociações com o Ocidente foram retomadas nesta semana.

O anúncio do organismo da ONU responsável por supervisionar as instalações iranianas parece minar as tratativas que têm o objetivo de trazer Washington e Teerã de volta ao pacto —os diálogos foram suspensos durante cinco meses após a eleição do presidente linha-dura Ebrahim Raisi no Irã.

As conversas, que chegaram ao terceiro dia nesta quarta, ocorrem em meio a ceticismo generalizado. A expectativa inicial era salvar o pacto abandonado pelo ex-presidente dos EUA Donald Trump em 2018. Desde então, o Irã passou a violar o tratado —o país afirma querer enriquecer urânio apenas para uso civil.

Diplomatas de Irã, Reino Unido, China, Alemanha, Rússia e França estão presentes, mas os diálogos no fundo são negociações indiretas entre Teerã e Washington, já que o país se recusa a se sentar à mesa com um emissário dos Estados Unidos.

O time de negociações do Irã estabeleceu demandas que americanos e europeus consideram irreais, segundo representantes ocidentais. O país exige a suspensão de todas as sanções impostas pelos EUA e pela União Europeia desde 2017, incluindo as que não têm relação com o programa nuclear iraniano.

A suspensão dessas medidas era algo previsto no acordo de 2015 em troca de limites rígidos ao programa nuclear do país persa. Com a nova produção, os negociadores ocidentais temem que o país persa esteja criando motivos para ganhar vantagem nas conversas. A AIEA divulgou que o Irã começou a enriquecer urânio a 20% com 166 máquinas IR-6 avançadas em Fordow, local incrustado em uma montanha.

O acordo de 2015 não permite que o Irã enriqueça urânio nesta planta, um sinal de quão degradado está o trato. Até o momento, o país havia produzido o material no local com máquinas IR-1 e com algumas IR-6, mas sem armazená-lo. Há ainda 94 máquinas IR-6 instaladas em Fordow que não estão em operação.

Um relatório mais amplo da AIEA distribuído entre Estados-membros da agência e ao qual a agência de notícias Reuters teve acesso apontou que, como resultado dessa movimentação no Irã, a entidade planeja aumentar as inspeções na planta de Fordow, mas os detalhes para isso ainda precisam ser definidos.

Teerã minimizou o relatório como algo de rotina, ainda que a AIEA, que não dá razões claras para a existência de tais documentos, normalmente os publique quando há desdobramentos importantes como novas quebras do acordo. “O recente relatório sobre as atividades nucleares é uma atualização habitual em linha com sua verificação regular no Irã”, escreveu a missão permanente de Teerã na ONU.

Em outro ponto de tensão, o porta-voz do chanceler iraniano acusou nesta quarta Israel de espalhar mentiras para atrapalhar as negociações. Não ficou claro ao que ele se referia, mas um repórter do site americano Axios baseado em Tel Aviv publicou na segunda (29/11/2021) que Israel compartilhou informações de inteligência nas últimas duas semanas com aliados americanos e europeus sugerindo que Teerã se preparava para enriquecer urânio com 90% de pureza, grau necessário para desenvolver armas nucleares.

Nos últimos meses, o Irã enriqueceu urânio a níveis sem precedentes e restringiu atividades de inspetores da AIEA, mas os limites do acordo já vinham sendo ultrapassados desde que os EUA deixaram o pacto.

O diretor da agência da ONU, Rafael Grossi, visitou Teerã na semana passada com a esperança de abordar vários pontos de divergência entre o órgão e o Irã. Após a viagem, ele afirmou que não conseguiu avanços nos temas apresentados. Para não agravar a situação, diplomatas ocidentais decidiram não pressionar por uma resolução crítica ao Irã na semana passada durante reunião do conselho de ministros da AIEA.

sábado, 27 de novembro de 2021

Cientistas observam novo tipo de simbiose em que bactéria fornece energia para a célula.

Link para texto completo: https://super.abril.com.br/ciencia/cientistas-observam-novo-tipo-de-simbiose-em-que-bacteria-fornece-energia-para-a-celula/

Resumo: A bactéria “respira” nitrato e fornece energia para o protozoário, que, por sua vez, protege-a dentro da célula. A descoberta está relacionada à hipótese de origem da mitocôndria. 

Se você absorveu algum conteúdo das aulas de biologia do ensino médio, com certeza se lembra que a mitocôndria é a fonte de energia da célula. Ela é responsável pela respiração celular: entra oxigénio e glicose e saem pacotinhos de energia conhecidos como ATPs.

O que chama a atenção nas mitocôndrias é que nem sempre elas fizeram parte das células. No passado, elas provavelmente eram bactérias independentes, até que foram engolidas por outro organismo, ancestral das células eucariontes. Essa assimilação, que ocorreu há mais de um bilhão de anos, foi boa para os dois lados, que passaram a viver em simbiose - o ancestral da mitocôndria fornecia energia para a célula enquanto ficava protegido pela estrutura ao seu redor.

Com o passar do tempo, a mitocôndria foi se tornando cada vez mais integrada até se tornar uma organela presente nas nossas células. Ela inclusive possui material genético próprio (DNA mitocondrial) e capacidade de autorreprodução, sem precisar de comandos da célula hospedeira.

Agora, cientistas do Instituto Max Planck de Microbiologia Marinha detectaram um tipo de simbiose parecido com esse, mas que nunca havia sido visto na natureza: uma bactéria que vive dentro de um protozoário, fornecendo energia para ele. Só que em vez de usar oxigénio para gerar essa energia, a bactéria “respira" nitrato.

“Uma simbiose baseada na transferência de energia na forma de ATP, como observamos aqui, é sem precedentes. Na verdade, o único outro simbionte que tinha uma função parecida é justamente aquele que deu origem à mitocôndria no passado”, disse a pesquisadora Jana Milucka à Super. 

Os dois seres foram descobertos no fundo do Lago de Zug, na Suíça. O protozoário é formado por uma única célula e até possui mitocôndrias, mas a Candidatus A. ciliaticola (como foi chamada a bactéria que vive lá dentro), pode complementar ou até substituir essa produção de energia. 

quinta-feira, 25 de novembro de 2021

Microrganismos em âmbar são descobertos na Bahia por equipe da UFRJ

Link para texto completo: https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Biologia/noticia/2021/10/microrganismo-preservado-em-ambar-e-descoberto-na-bahia-por-equipe-da-ufrj.html

Resumo: O professor Leonardo Borghi, do Instituto de Geociências (Igeo) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), estava perto de Salvador quando encontrou rochas contendo algo muito raro: fósseis de protozoários com idades entre 125 milhões e 145 milhões.

Novas amostragens revelaram que os microrganismos estavam preservados em âmbar, uma resina fóssil incomum no Brasil. Então, o achado foi analisado pelos pesquisadores Thiago da Silva Paiva, do Instituto de Biologia da UFRJ, e Ismar de Souza Carvalho, do Igeo. A equipe publicou seus achados na revista científica Scientific Reports, no último dia 27 de setembro (2021).

A pesquisa é parte de uma série de estudos que descreve as primeiras espécies microscópicas imersas em âmbar do Brasil. O projeto também promete ampliar o conhecimento sobre a história evolutiva de microrganismos. E é possível ainda que o achado ajude a investigar depósitos de rios e lagos do período no qual a América do Sul e a África ainda eram unidas em um único continente, o Gondwana.

Entre as descobertas está um fóssil de um protozoário ciliado da espécie Palaeohypothrix bahiensis, que viveu durante o Cretáceo Inferior. Trata-se de um exemplar de uma linhagem extinta que até então era desconhecida pela ciência, apesar de ainda haver protozoários modernos vivendo em ambientes terrestres e aquáticos. Esses micróbios são, inclusive, usados por cientistas como indicadores para medir a qualidade da água e dos solos.

Os protozoários pertencem ao reino protista, cujos organismos já habitam nosso planeta há cerca de 1,8 bilhão de anos. Contudo, o registro fóssil desses seres é relativamente escasso, então pouco se sabe sobre a maioria dos grupos de protistas – e as novas descobertas são muito importantes para preencher essas lacunas.

P. bahiensis, por exemplo, é um representante extinto e diferente dos protozoários atuais. Logo, segundo conta Paiva ao Conexão UFRJ, o protozoário pode ajudar a compor o quebra-cabeça da história natural desses microrganismos e “reforça a hipótese de que são suscetíveis a eventuais processos de extinção, assim como ocorre com animais e plantas”.

quarta-feira, 24 de novembro de 2021

Sobre questões e notas do ENEM: Questões ineficientes compõem 2% do Enem e não contam para nota

Link para matéria completa: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2021/11/questoes-inadequadas-compoem-2-do-enem-e-nao-contam-para-nota.shtml?utm_source=whatsapp&utm_medium=social&utm_campaign=compwa

Acesse e leia tudo. É interessante e importante para quem quer saber mais sobre o ENEM e TRI.

Resumo: A matéria fala sobre como é avaliada cada questão do ENEM em termos de cumprir ou não sua função de detectar quais são os melhores candidatos. Fala também sobre a Anulação Silenciosa (sem comunicar a todos) de questões que não foram eficientes. No fundo levanta dúvidas sobre a pré-testagem (está acontecendo de fato?) e sobre a própria caixa-preta da TRI.

sexta-feira, 19 de novembro de 2021

Covid: 1º caso em Wuhan foi de vendedora de mercado de animais, diz estudo.

Link para matérias completas: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/rfi/2021/11/19/covid-1-caso-em-wuhan-foi-de-vendedora-de-mercado-de-animais-diz-estudo.htm

https://g1.globo.com/saude/coronavirus/noticia/2021/11/19/primeiro-caso-de-covid-19-foi-de-vendedora-de-mercado-de-animais-em-wuhan.ghtml 

Resumo: Cientista traça linha do tempo e conclui que paciente zero originalmente identificado pela OMS na verdade adoeceu dias depois. Estudo fornece "fortes evidências" de que vírus teve origem animal, diz pesquisador.

O primeiro caso de Covid-19 identificado na cidade de Wuhan, na China, ocorreu dias depois do que se acreditava, e o verdadeiro paciente zero tem, na verdade, ligação com um mercado de animais, afirmou um pesquisador de alto nível em artigo publicado na revista científica Science.
Em vez de um homem que nunca havia estado no mercado de animais vivos de Wuhan – onde se vendiam animais selvagens e domésticos –, o primeiro caso da doença é o de uma vendedora que trabalhava nesse mercado, segundo o virologista Michael Worobey, do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos.
O pesquisador criou uma linha do tempo dos primeiros casos conhecidos de Covid-19 na cidade chinesa, compilando-os a partir de várias fontes, como notícias de jornais e informações disponíveis de hospitais. Para ele, esses dados são indício de que o coronavírus Sars-Cov-2 teria mesmo se originado de um animal.
Desde o início da pandemia, especialistas debatem a origem do vírus, na ausência de evidências definitivas. O próprio Worobey fez parte de um grupo de 15 especialistas que publicou um artigo na Science em meados de maio pedindo uma consideração séria da hipótese de um vazamento do laboratório em Wuhan.
Agora, em artigo publicado nesta quinta-feira (18/11/2021), ele afirma que sua pesquisa "fornece fortes evidências em favor da origem da pandemia em um mercado de animais vivos".

Rebatendo as críticas à tese
Uma crítica à teoria da origem animal dizia que, como as autoridades de saúde alertaram sobre casos de uma doença suspeita ligada ao mercado de animais já em 30 de dezembro de 2019, isso teria introduzido um viés que levou à identificação de mais casos no mercado do que em outros lugares, uma vez que a atenção já estava voltada para ele.
Para rebater esse argumento, Worobey analisou casos suspeitos de Covid-19 relatados por dois hospitais antes de o alerta sobre o mercado ser acionado.
E esses casos também estavam em grande parte ligados diretamente ao mercado, e os que não estavam pelo menos se concentravam geograficamente em torno dele.
"Nesta cidade de 11 milhões de habitantes, metade dos primeiros casos está ligada a um lugar do tamanho de um campo de futebol", afirmou o cientista ao jornal americano New York Times. "Fica muito difícil explicar esse padrão se o surto não tiver tido início no mercado."
Outra crítica à teoria se baseava no fato de o primeiro caso identificado em Wuhan – considerado o paciente zero pela Organização Mundial da Saúde – não ter relação com o mercado.
Contudo, embora o relatório da OMS afirmasse que esse paciente estava doente desde 8 de dezembro de 2019, na verdade ele só adoeceu em 16 de dezembro, disse Worobey.
Essa dedução foi baseada em uma entrevista em vídeo que o cientista encontrou, a partir de um caso descrito em um artigo científico e a partir de um prontuário de hospital que correspondia ao homem de 41 anos, originalmente identificado como paciente zero.
Isso significa que o primeiro caso de Covid-19 conhecido seria, na verdade, da mulher que trabalhava no mercado, que adoeceu em 11 de dezembro.
Peter Daszak, um especialista que fez parte da equipe de investigação da OMS, disse que ficou convencido com a análise de Worobey. "Aquela data de 8 de dezembro foi um erro", disse ele ao New York Times.

sábado, 13 de novembro de 2021

Como explosão de cometa formou misteriosos 'campos de vidro' do deserto do Atacama

Link para matéria completa: https://g1.globo.com/ciencia/noticia/2021/11/12/como-explosao-de-cometa-formou-misteriosos-campos-de-vidro-do-deserto-do-atacama.ghtml

Resumo: No lugar que hoje é o deserto do Atacama, no norte do Chile, provavelmente um evento apocalíptico ocorreu há pelo menos 11 mil anos. Um cometa teria explodido ao se aproximar da superfície da Terra, gerando um jato de fogo com ventos semelhantes aos de um furacão ou um tornado.
Naquela época, a paisagem daquela região do planeta era muito diferente da aridez absoluta atual: havia vegetação abundante, animais gigantes e corpos d'água, possivelmente lagoas.
O inferno gerado pela explosão do cometa no céu não só teria a capacidade de destruir os seres vivos na Terra, mas também criaria um mistério para os geólogos até os dias de hoje.
É que em um ponto do deserto do Atacama, chamado de pampa do Tamarugal, foram descobertas em 2008 rochas com formações cristalinas de origem incerta até pouco tempo atrás.
Na semana passada (novembro, 2021), um grupo de cientistas publicou os resultados de um novo estudo em que concluíram que os campos de vidro foram criados pelo efeito da explosão de um cometa.
"Esta explosão desceu em direção à superfície do solo como um plasma muito quente, a cerca de 1.700° C", explica o geólogo Nicolás Blanco à BBC News Mundo (serviço em espanhol da BBC).
"Esse plasma foi acompanhado por ventos com força de furacão, semelhantes aos dos tornados. O calor combinado com os ventos gerou os corpos derretidos com parte do material do cometa, fundindo e incorporando essas rochas que também foram derretidas."
Em 2008, o geólogo descobriu os campos de vidro junto com seu colega Andrew Tomlinson (ambos do Serviço Nacional de Geologia e Mineração do Chile, Sernageomin). Isso levou à pesquisa de Blanco, Tomlison, Peter Schultz, Scott Harris e Sebastián Perroud publicada em 2 de novembro na revista Geology.

Um mistério do deserto
Os campos de vidro estão espalhados em uma faixa de cerca de 70 km de extensão nos pampas do Tamarugal. As formações rochosas que apresentam incrustações cristalinas, após serem analisadas, foram catalogadas como originárias do Pleistoceno Superior. Ou seja, teriam pelo menos 10,5 mil anos de idade. "A rocha é do tipo escória, como são conhecidas na indústria siderúrgica, com vidros de cor verde escura que não têm valor econômico em si, porque não possuem uma beleza particular", explica Blanco. "Dentro desse material fundido, existem pequenos cristais microscópicos que lhe conferem a característica especial que possui."
As mudanças em nosso planeta que criaram o deserto teriam gerado a hiperaridez pela qual muitas dessas rochas foram preservadas quase que no mesmo momento em que foram formadas.
"Isso não é muito comum. Existem algumas evidências em algumas partes da África e da Austrália, com climas áridos, e é mais fácil observá-las lá. Mas em áreas com vegetação é muito difícil (de enxergá-las), por isso é uma descoberta bastante interessante para a ciência ", conta Alejandro Cecioni, subdiretor nacional de geologia da Sernageomin, à BBC News Mundo.
Quando Blanco e Tomlinson encontraram as rochas, se perguntaram como elas teriam se formado. "O exemplo do impacto de meteoritos na superfície da Terra já é conhecido: eles formam crateras e deixam vestígios de rocha derretida que indicam os efeitos da alta temperatura e pressão do impacto."
"Mas nesta região essas crateras de impacto não existem. Então, como se explica uma fonte de calor diferente do impacto de um meteorito?"
Esses tipos de formações cristalinas podem ser encontrados em outras partes do planeta, onde a atividade vulcânica, a colisão de um meteorito ou a queda de um raio deixaram uma marca no solo.
Mas naquele ponto do deserto do Atacama não há evidências de vulcões ou vestígios do impacto de um corpo espacial de tal magnitude. O que os pesquisadores descobriram são três minerais que consideram essenciais.
As análises mostraram que nos vidros ocorre a fusão de cubanita, trolita e baddeleyita, sendo que os dois primeiros minerais são aqueles detectados em meteoritos e cometas.
Nos anos 2000, a missão Stardust da NASA trouxe para a Terra amostras do cometa Wild-2 com a presença de cubanita e trolita.
Como não havia evidência de queda de meteorito, os cientistas acreditam que a fusão de minerais e a formação cristalina foram causadas pelo impacto de um cometa.
"Esses três elementos eram indicativos de que o processo de formação estava em altíssima temperatura e era gerado por esse processo térmico que vinha do espaço", afirma Blanco.

A Teoria do Grande Fogo
Um evento com características semelhantes ao impacto de que falam os cientistas não foi documentado pela humanidade. O "evento de Tunguska", uma grande detonação na Rússia no início do século 20, é atribuído à explosão aérea de um meteorito, uma vez que não deixou uma cratera na superfície da Terra. Mas não causou tanta devastação quanto se sabe que ocorreu no Atacama, no Chile.
"Os dois eventos coincidem com a destruição da megafauna local. Naquela época (onde hoje é o Atacama), havia animais de grande porte que ficavam em um ambiente com vegetação, que também queimou em temperaturas muito altas, o que não é muito comum", diz Cecioni, que faz parte do Serviço Nacional de Geologia e Mineração do Chile.
Uma teoria anterior aventava a hipótese de que as formações de vidro eram causadas pelo incêndio na vegetação, mas Blanco afirma que não há evidências de que um incêndio de superfície possa gerar uma quantidade de calor superior a 1.700°C, a ponto de derreter os minerais encontrados.
Em geral, incêndios florestais podem gerar temperaturas de até 500°C. "Nenhum incêndio florestal em lugar nenhum deixou evidências de vidro derretido dessa magnitude. Nos grandes incêndios florestais em várias partes do mundo, nunca foi relatada a existência de fusão de solos", diz o geólogo.
Por esse e outros motivos, ele e seus colegas consideram que as evidências da formação das misteriosas rochas com cristais são produto de um evento de liberação de energia como a explosão de um cometa.

quinta-feira, 11 de novembro de 2021

Caenorhabditis elegans: O verme que ajudou a explicar o desenvolvimento do corpo humano

Link para matéria completa: https://g1.globo.com/ciencia/noticia/2021/11/07/o-verme-que-ajudou-a-explicar-o-desenvolvimento-do-corpo-humano.ghtml

Resumo: Você já ouviu falar do Caenorhabditis elegans? É um ser excepcional, uma celebridade em laboratórios, que foi indispensável para várias descobertas e contribuiu para o sucesso de seis ganhadores do prêmio Nobel.
Seu nome é uma mistura das palavras gregas (caeno, que significa "novo" ou "recente", e rhabditis, algo como "bastão") e em latim (elegans, que quer dizer elegante). Mas, para abreviar, é chamado de C. elegans.
Em seu ambiente natural, esse minúsculo verme vive no espaço entre os grãos de terra, e foi no solo da Argélia que o zoólogo francês Émile Maupas o encontrou — ele foi o primeiro a isolá-lo, descrevê-lo e selecioná-lo como sua espécie de referência em 1900.
Vários cientistas seguiram seus passos, particularmente o biólogo francês Victor Nigon e a bióloga americana Ellsworth Dougherty. Mas foi graças à busca do biólogo sul-africano Sydney Brenner por um novo modelo animal que pudesse ajudá-lo a explorar os mistérios do desenvolvimento e do comportamento humano que o verme ficou famoso, em 1963.
"Precisávamos de um organismo com o qual pudéssemos estudar genética de maneira adequada", afirmou Brenner na época.
"Como era preciso ver onde uma célula terminava e outra começava, tinha que ser com o microscópio eletrônico, então, eu precisava de um organismo pequeno que caberia na janela desses microscópios. Finalmente, decidi por esses pequenos vermes nematódeos, C. elegans, e comecei a trabalhar com eles."
"Sydney Brenner é um deus na comunidade de vermes por ter escolhido este organismo modelo", diz Gordon Lithgow, vice-presidente do Instituto Buck de Pesquisa sobre o Envelhecimento, nos Estados Unidos.
"O que ele realmente fez foi tomar uma decisão muito sábia que permite estudar biologia realmente complexa em um sistema simples. E essa foi a verdadeira genialidade. Trata-se de uma biologia básica, sem dúvida, mas é incrível como essa biologia básica agora se traduziu para os humanos e a compreensão das doenças."
O C. elegans produz mais de 1.000 ovos por dia — eles podem ser cultivados em grande número, e culturas saudáveis ​​podem ser congeladas e depois descongeladas e revividas quando necessário. 
Na verdade, a aparência do C. elegans é um dos seus muitos atrativos para se tornar um modelo. "A grande vantagem é o fato de ser transparente. Dá para ver através de sua pele!", exclama Lithgow.  "Você pode realmente ver células e processos biológicos acontecendo, apenas olhando por um microscópio."
"Além disso, é pequeno. Tem menos de um milímetro de tamanho, então você pode cultivar centenas de milhares desses vermes em laboratório, e isso é muito importante se você estiver buscando um gene raro ou algo parecido."
"A genialidade de Sydney Brenner foi perceber que, embora tenhamos centenas de bilhões de células em nosso cérebro, o verme tem apenas 302 neurônios, e você pode observá-los através de sua pele transparente e estudá-los."


Caenorhabditis elegans — Foto: BBC

Por que é tão ideal?
  • O verme nematoide C. elegans é muito mais simples do que os humanos — não tem, por exemplo, ossos, coração ou sistema circulatório — mas compartilha muitos genes e vias moleculares conosco;
  • Além disso, muitos dos sinais moleculares que controlam seu desenvolvimento também são encontrados em organismos mais complexos, como os humanos;
  • Muitos dos genes no genoma do C. elegans têm equivalentes funcionais em humanos, fazendo dele um modelo extremamente útil para explorar doenças humanas;
  • Formas de C. elegans nas quais genes específicos são alterados podem ser produzidas com muita facilidade para estudar de perto a função dos genes;
  • Essas mutações fornecem modelos para muitas doenças humanas, incluindo distúrbios neurológicos, doenças cardíacas congênitas e doenças renais;
  • Podem ser usados para testar milhares de drogas em potencial para doenças importantes.
"O verme é espetacular como organismo modelo por uma série de razões", diz à BBC Bob Waterston, professor de Ciências do Genoma da Universidade de Washington, nos Estados Unidos.
"Tem menos de 1 mil células na idade adulta e sabemos quais são todas essas células e o que fazem. É pequeno, então, é possível obter uma grande quantidade delas, e isso é importante para a genética, porque permite observar vários eventos raros. É difícil fazer a genética de um rinoceronte, como Sydney costumava dizer!", acrescenta Waterson, que ingressou no laboratório de Sydney Brenner em Cambridge, no Reino Unido, no início dos anos 1980 e é mais conhecido por seu trabalho no Projeto Genoma Humano.

terça-feira, 9 de novembro de 2021

Consumo exagerado de álcool deixa marcas físicas nas células do esôfago e pode levar ao câncer, aponta estudo

Link para matéria completa: https://g1.globo.com/ciencia/noticia/2021/11/09/consumo-exagerado-de-alcool-deixa-marcas-fisicas-nas-celulas-do-esofago-e-pode-levar-ao-cancer-aponta-estudo.ghtml

Resumo: O consumo exagerado de álcool deixa marcas físicas nas células do esôfago, podendo levar ao câncer no órgão, revelou um estudo realizado por pesquisadores do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o câncer de esôfago é o oitavo tipo mais comum no mundo e o sexto de maior mortalidade.
Durante cinco anos, os pesquisadores coletaram amostras de tecido tumoral e de sangue com o intuito de analisar o genoma de 552 indivíduos com câncer para identificar a chamada "assinatura mutacional" - um padrão específico de mutações no DNA para alguns tipos de câncer.
O objetivo da análise era traçar um perfil dessas mutações e, assim, apontar quais fatores comportamentais ou não levaram ao surgimento do câncer no paciente.
“Um caso conhecido é o de câncer de pulmão, em que essa espécie de marca genética é causada pelo tabaco. O que observamos e ficou comprovado nesta análise é que o álcool deixa um rastro específico nos tumores de esôfago. No entanto, seguiremos realizando outros estudos, com novas amostragens, buscando investigar as marcas dos outros agentes conhecidos”, explica Luis Felipe Ribeiro Pinto, chefe do Programa de Carcinogênese Molecular e coordenador de pesquisa do Inca.
Os resultados da pesquisa, publicados na revista científica Nature Genetics, integram um projeto maior, chamado Mutographs, liderado pela Agência Internacional para Pesquisa em Câncer, da Organização Mundial da Saúde (IARC/OMS) e pelo Instituto Sanger do Reino Unido, que conta com um grupo de cientistas de dez países. O Inca é o representa do Brasil e da América Latina neste grupo.
Para compor o estudo, foram analisados o genoma de pacientes de oito países com incidência variável: Brasil, China, Irã, Japão, Kenya, Malawi, Reino Unido e Tanzânia. Em todos eles, a assinatura mutacional foi semelhante, afirmam os pesquisadores.
"Associações entre assinaturas mutacionais específicas e fatores de risco foram identificadas para tabaco, álcool, ópio (...)", dizem os autores no estudo.
No Brasil, o câncer de esôfago é a quinta doença que mais mata homens, sem considerar os tumores de pele não melanoma. Não à toa, do total de amostras analisadas, 5,4% eram de pacientes do Inca.
Bebidas alcoólicas, assim como o tabagismo e a ingestão de bebidas muito quentes (chimarrão) são fatores que favorecem o aparecimento da doença.

segunda-feira, 8 de novembro de 2021

Por que degelo do permafrost é uma das maiores ameaças ao planeta

Link para matéria completa: https://www.bbc.com/portuguese/geral-59179808

Resumo: Um dos maiores desafios que a humanidade enfrenta hoje é como reduzir a produção de gases que estão superaquecendo nossa atmosfera. O excesso dos chamados gases de efeito estufa está gerando mudanças climáticas que produzem um número maior de fenômenos meteorológicos extremos, como secas e inundações.
Descobrir como podemos reduzir nossas emissões de dióxido de carbono (CO2) e outros gases nocivos é um dos objetivos da COP26, a conferência das Nações Unidas sobre clima, que acontece na cidade escocesa de Glasgow.
Mas enquanto políticos e cientistas debatem como reduzir a queima de combustíveis fósseis e outras atividades poluentes, pouco se fala sobre outra grande fonte de gases de efeito estufa que é potencialmente muito mais perigosa para a nossa atmosfera. Trata-se do permafrost, uma das maiores reservas de carbono do planeta.
Os cientistas estimam que cerca de 1,5 trilhão de toneladas de carbono estão armazenados no permafrost. Ou seja, o dobro do que há atualmente na atmosfera. E a má notícia é que esse carbono está sendo liberado na atmosfera, na forma de CO2 e metano, a uma velocidade nunca vista antes na história da humanidade.
Na verdade, especialistas que estudam o permafrost afirmam que hoje ele emite mais carbono do que absorve, passando de reservatório de carbono a fonte de poluição. E isso faz dele uma das maiores ameaças à nossa atmosfera.

O que é o permafrost
É uma camada do subsolo da crosta terrestre que está permanentemente congelada — daí seu nome — em algumas das regiões mais frias do mundo.
Fica debaixo de uma camada mais fina de vegetação e terra, que os especialistas chamam de "camada ativa", que congela quando a neve ou o gelo estão no topo e derrete quando está mais quente. Esta camada protege o permafrost, que é composto de terra, rochas, areia e matéria orgânica (restos de plantas e animais), unidos por gelo. É nesses restos orgânicos que é capturado o carbono que, congelado no subsolo, é inofensivo, mas se liberado em grandes quantidades pode se tornar uma das principais fontes de poluição do planeta.
Julian Murton, professor de Ciência do Permafrost na Universidade de Sussex, explicou à BBC News Mundo (serviço de notícias em espanhol da BBC), que — dependendo das condições da superfície — o carbono pode ser liberado como CO2 ou como metano, que é "30 vezes mais poderoso como gás de efeito estufa".
Embora qualquer camada de subsolo que permaneça congelada por pelo menos dois anos já seja tecnicamente considerada permafrost, Murton observa que "grandes extensões foram criadas durante as eras glaciais."
Este permafrost mais antigo, que tem centenas de milhares de anos, é o mais espesso e profundo, podendo se estender por até 1,5 mil metros abaixo da superfície. Em contrapartida, o permafrost mais recente costuma ter apenas alguns centímetros de profundidade.

Localização
A maior parte está localizada no hemisfério norte, onde estima-se que quase um quarto dos solos tenham permafrost. 
Ele se concentra principalmente na região do Ártico, sobretudo em partes da Rússia (Sibéria), Estados Unidos (Alasca), Canadá e Dinamarca (Groenlândia).
Além do Ártico, ele também é encontrado no planalto tibetano e em regiões de grande altitude, como as Montanhas Rochosas. No hemisfério sul, há muito menos permafrost do que no norte, porque há mais oceano e menos terra.
Embora os cientistas suspeitem que deve haver terra congelada debaixo da enorme camada de gelo da Antártida, ela é profunda demais para se comprovar. Sabe-se que há permafrost nas pequenas partes do continente branco onde há solo descoberto.
Também existe nas regiões austrais mais altas, como os Andes, na América do Sul, e os Alpes do Sul, na Nova Zelândia.
Um estudo publicado pelo Departamento de Geografia da Universidade de Zurique, na Suíça, estimou em 2012 que, se todas as áreas de permafrost do mundo fossem somadas, elas somariam cerca de 22 milhões de quilômetros quadrados.

Por que está liberando carbono
Basicamente porque o aquecimento global está aumentando as temperaturas em todo o planeta, mas ainda mais na área do Ártico, que está esquentando cerca de três vezes mais rápido do que o resto da Terra. O aquecimento global também está tornando o clima do Ártico mais úmido, explica o professor Murton.
Quando o permafrost está em seu estado natural, ele atua como o refrigerador da Terra, mantendo os resíduos de carbono orgânico congelados e secos. Assim não geram nenhum dano ao meio ambiente.
Mas, da mesma forma que os alimentos começam a apodrecer quando tiramos do freezer, à medida que o calor e as chuvas derretem essa camada congelada de terra, os micróbios começam a decompor os restos orgânicos, liberando dióxido de carbono e metano na atmosfera. Mas o dano não termina por aí.
Os gases de efeito estufa liberados fazem com que as temperaturas aumentem ainda mais, o que, por sua vez, gera mais derretimento. É o que os cientistas chamam de "ciclo de feedback" e isso está amplificando os danos do degelo.
Mas apesar da grande ameaça potencial representada pelo derretimento do permafrost — mesmo que apenas parte do CO2 e metano retidos fosse liberada, ainda assim isso poderia ser catastrófico —, o fato é que as projeções sobre as mudanças climáticas não levam esse fenômeno em consideração.
O motivo, explica Murton, é que é muito difícil projetar como o aquecimento global impactará essa camada subterrânea.
"O aquecimento do clima está acontecendo na atmosfera, e o permafrost é subterrâneo. Ambos são separados por uma camada complexa, que alguns chamam de amortecedor, formada por vegetação — por exemplo, tundra — neve, matéria orgânica e água", explica.
"Essa camada amortecedora muda constantemente, dia a dia, mês a mês e ano a ano. Com as mudanças climáticas, vai mudando a vegetação, a quantidade de neve... O vínculo entre o ar e a terra é muito complexo e mutável", completa.
Além disso, o fato de que o permafrost está localizado em algumas das partes mais remotas e frias do mundo complica seu estudo.
Nesse sentido, muitas das medições realizadas utilizam imagens de satélite que podem detectar mudanças na temperatura da superfície.
"Estamos vendo evidências de um degelo extenso do permafrost próximo à superfície", diz o especialista britânico, embora deixe claro que a variabilidade constante torne difícil medir esta redução.
Um estudo liderado pela cientista britânica Sarah Chadburn em 2017 determinou que se a temperatura da atmosfera aumentar 2 °C em comparação com a era pré-industrial — hoje está quase 1,2 °C mais quente — 6,5 milhões de km2 de permafrost irão desaparecer, ou seja 30% do total.
Se o mundo não chegar a um acordo para deixar de liberar gases de efeito estufa, e a temperatura continuar subindo no ritmo atual, perderíamos 70%, diz a projeção.
Ainda assim, Murton se mostra otimista.
"Não sou um cientista especialista em carbono, mas estudei o descongelamento do permafrost como geólogo por 30 anos, e se há algo que acho óbvio nesse processo é que ele é reversível", diz ele. "Quando o permafrost descongela, muitas vezes se formam depressões, e o permafrost cai por uma encosta e é soterrado por sedimentos. É muito comum que essas depressões se estabilizem depois de um tempo e a vegetação cresça em cima, fazendo com que o permafrost não fique mais exposto". "Não acho que o ciclo de feedback seja inevitável", acrescenta.
O especialista também destaca que o permafrost mais antigo e profundo da Terra já sobreviveu a períodos ainda mais quentes do que o atual. "Esse permafrost espesso, velho e congelado continuará ali em 100 anos, em 500 anos e certamente mais além", prevê.

domingo, 7 de novembro de 2021

Os aditivos químicos presentes em 4 de cada 5 alimentos vendidos nos mercados do Brasil

Link para matéria completa: https://www.bbc.com/portuguese/geral-59082513

Resumo: A nutricionista Vanessa Montera investigou em seu estudo como esses aditivos são usados pela indústria no Brasil.
Esse trabalho foi sua tese de doutorado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e  foi publicado no periódico Food and Function, da Sociedade Real de Química, do Reino Unido.
A nutricionista analisou uma base de dados elaborada pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor a partir da visita a dez lojas das cinco maiores redes de supermercado do país em duas cidades, Salvador e São Paulo.
Todos os produtos embalados tiveram seus rótulos fotografados. De cerca de 14 mil itens, foram excluídos os que estavam duplicados, as águas engarrafadas e aqueles que não tinham informações nutricionais nas embalagens. Restaram 9.856 alimentos, que foram divididos em 25 categorias.
Em seguida, foram verificados os ingredientes de cada um deles. A cientista concluiu que 79,4% tinham ao menos um aditivo.
Mas isso conta apenas uma parte da história, porque a minoria (11,6%) tinha um aditivo só, enquanto 19,8% tinham dois ou três, 23,2% tinham quatro ou cinco e 24,8% — a maior parcela do total — tinham seis ou mais.
Os produtos com mais aditivos foram as bebidas de fruta saborizadas (com teor de suco abaixo de 30% e pós e concentrados para preparo de refrescos). Nesses produtos, em média, os aditivos representavam 79,7% do número total de ingredientes listados.
Também se destacaram refrigerantes (74,5%), outras bebidas (57,3%) — tais como aquelas à base de soja, chás prontos para consumo, bebidas para desportistas, leite de coco —, produtos lácteos não adoçados (51,1%), néctares (49,7%), produtos lácteos adoçados (45,6%) e doces e sobremesas (45,4%).
Bebidas de fruta, refrigerantes e outros produtos semelhantes são o que têm mais aditivos, de acordo com o estudo
Entre os cinco aditivos mais usados, quatro eram do tipo cosmético — a exceção foram os conservadores, que fazem com que os alimentos durem mais tempo.
Os aromatizantes, que dão cheiro a um produto, foram de longe o aditivo mais comum. Estavam em 47,1% dos produtos.
Depois, vieram os conservadores (28,9%), os corantes (27,8%; conferem cor à comida), os estabilizantes (27,6%; mantêm a dispersão de componentes) e os emulsificantes (19,4%; mantêm uma mistura).
"Os conservadores têm um propósito, porque a indústria precisa fazer com que esses produtos possam ficar mais tempo na prateleira, mas os aditivos cosméticos só servem para deixar o pão mais fofinho, fazer o iogurte ficar rosa, deixar o creme de leite mais branco. Seu único propósito é tornar o produto mais atraente para o consumidor e, por isso, não são estritamente necessários", avalia Montera.
A nutricionista argumenta que sua pesquisa mostra que a indústria de alimentos está pesando a mão no uso desses ingredientes.
"Tinha um produto que tinha um umectante [que previne a perda de umidade] e um antiumectante [que impede a absorção de umidade]. Qual é o sentido disso?", questiona.

A Ciência ainda é inconclusiva sobre se os aditivos causam ou não prejuízos à saúde.
Há estudos que apontam indícios de que seu consumo por pode estar ligado a distúrbios de comportamento, transtornos mentais, alergias, alterações no metabolismo do corpo, obesidade e câncer.
Existe ainda a preocupação com o fato de os ultraprocessados acostumarem nosso paladar a um excesso de certos ingredientes, como sódio e açúcar, tornando mais difícil adquirir o gosto pelos alimentos in natura, que são fontes de nutrientes.
A indústria de alimentos diz que os aditivos são importantes para garantir a segurança e o valor nutricional dos alimentos e que não há por que se preocupar.
A Associação Brasileira da Indústria e Comércio de Ingredientes e Aditivos para Alimentos disse à BBC News Brasil que o número de aditivos na composição de um produto "não tem nenhuma relação" com o alimento ser saudável ou não.
"A quantidade máxima permitida leva em conta a interação entre os aditivos em todas as categorias de alimentos, bem como a ingestão diária aceitável, com base no perfil alimentar da população brasileira", declarou a entidade.
Por sua vez, a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos disse à reportagem que os aditivos são usados em "pouquíssimas quantidades" e controlados rigorosamente.
"Não há evidências que demonstrem que a combinação de aditivos num mesmo alimento possa oferecer riscos à saúde humana", afirmou a associação.
Um dos motivos é que essas pesquisas quase não são feitas, argumenta Daniela Canella.
Indústria de alimentos diz não haver estudos que apontem prejuízos à saúde por causa dos aditivos
"Não há estudos no Brasil e existem pouquíssimos no mundo que analisam os aditivos somados, isso normalmente é feito com cada um deles sozinho. É possível que o efeito cumulativo deles não seja seguro", afirma a nutricionista.
Vanessa Montera aponta outros problemas. De acordo com a pesquisadora, a maioria das pesquisas, que são feitas pela própria indústria, analisam apenas se os aditivos são tóxicos ou causam mutações nas células e não investigam os prejuízos que podem causar ao metabolismo, ou seja, ao funcionamento do corpo.
"Tem alguns estudos que apontam efeitos preocupantes, mas realmente não é nada que nos faça bater o martelo. Mas, ainda assim, deveria ser adotado o princípio da precaução, porque, da mesma forma que não dá pra dizer com 100% de certeza que são prejudiciais, também não dá pra garantir que não são", diz a cientista.
Além disso, os estudos são realizados majoritariamente em animais, explicam os especialistas. Não seria ético fazer pesquisas dos efeitos em humanos, dando aditivos às pessoas para ver o que acontece.
A saída, explica Canella, é fazer os chamados estudos observacionais, em que se acompanha um grupo de pessoas por um tempo e se analisam seus hábitos e estilo de vida e os problemas de saúde para ver se há alguma correlação.
"É difícil fazer estudos assim porque sempre pode ter havido outra influência. Pode ter sido a poluição, e não o aditivo, que causou uma doença, por exemplo. Por isso, o nível de evidências nunca vai ser o ideal, o que é uma maravilha para a indústria, que sempre vai poder dizer que não dá pra estabelecer uma relação de causa e consequência, e é verdade", diz a pesquisadora da USP.

Anvisa vai rever regras de aditivos
Os aditivos devem ser listados entre os ingredientes informados nos rótulos
Ter mais aditivos é sinal de pior qualidade porque essas substâncias são usadas muitas vezes para substituir ingredientes naturais.
Em tese, por exemplo, uma empresa poderia usar morangos de verdade para deixar o iogurte rosa, mas morangos são mais caros do que um corante.
Os aditivos também servem para "maquiar" os produtos ultraprocessados, diz Canella, tornando seu aspecto, textura e gosto aceitáveis.
A nutricionista defende que cabe ao governo brasileiro exigir padrões de qualidade melhores das fabricantes de alimentos.
"Os países têm legislações mais e menos rigorosas. Se em um lugar você pode usar matéria-prima de pior qualidade, esse país se torna um refugo da indústria. Se dá pra produzir mais barato e a legislação não barra, por que uma empresa vai ter mais despesa e menos lucro?", questiona Canella.
Também seria bom que os rótulos informassem melhor sobre esses ingredientes, indicando sua quantidade, por exemplo, acrescenta Montera.
O Brasil terá uma oportunidade de aprimorar suas regras para os aditivos. Está prevista na agenda da Anvisa para o período entre 2021 e 2023 a modernização das regras e procedimentos para autorização do uso dos aditivos em alimentos.
Mas, questionada sobre esse assunto, a agência disse à BBC News Brasil que não iria comentar.

quarta-feira, 3 de novembro de 2021

Fonte de proteínas e colágeno, águas-vivas são usadas na alimentação após congelamento em nitrogênio

Link para matéria completa: https://g1.globo.com/ciencia/noticia/2021/11/03/fonte-de-proteinas-e-colageno-aguas-vivas-sao-usadas-na-alimentacao-apos-congelamento-em-nitrogenio.ghtml

Resumo: A repórter Diana Piñeros viajou para o o sul da Itália, perto de Nápoles, para experimentar uma iguaria da região: águas-vivas. Segundo Antonella Leone, biotecnóloga da "Go Jelly", águas-vivas são ricas em proteínas e colágenos. Mas o processo para torná-las comestíveis não é fácil. Primeiro, elas devem ser congeladas em nitrogênio líquido num laboratório para que todas as toxinas sejam removidas. Por isso, ainda é difícil encontrar restaurantes com águas-vivas nos cardápios europeus, mas alguns restaurantes já se dedicam a este nicho.
Confira o vídeo no link acima.

Outra matéria sobre o tema: 

segunda-feira, 1 de novembro de 2021

Elefantes nascem sem presas em Moçambique e mudança é resposta evolutiva à caça ilegal

Links para texto completo:

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/elefantes-nascem-sem-presas-em-mocambique-e-mudanca-e-resposta-evolutiva-a-caca-ilegal/

https://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2021/11/caca-ao-marfim-afeta-evolucao-e-faz-elefante-sem-presa-virar-maioria-em-mocambique.shtml

Resumo: As presas de um elefante estão entre suas características definidoras – ajudam o animal a levantar galhos pesados, derrubar árvores, retirar cascas, lutar e cavar buracos para buscar água e minerais.
Mas uma proporção crescente de elefantes fêmeas no Parque Nacional da Gorongosa, em Moçambique, nasceu sem estas ferramentas cruciais – e os cientistas acreditam que seja uma resposta evolutiva à matança brutal de elefantes por suas presas de marfim durante a guerra civil de 15 anos do país.
Especialistas em elefantes que trabalhavam no parque começaram a notar o fenômeno após o fim da guerra, em 1992. Dados coletados em campo e análises de vídeos antigos do parque descobriram que a proporção de elefantes fêmeas sem presas aumentou mais do que três vezes entre 1972 e 2000.
Este foi um período durante o qual a população de elefantes caiu de cerca de 2 mil para cerca de 250 animais, disse Ryan Long, professor associado de ciências da vida selvagem na Universidade de Idaho.
“Durante a guerra, a Gorongosa era essencialmente o centro geográfico do conflito”, disse Long em uma entrevista por e-mail.
“Como resultado, havia um grande número de soldados na área e muita motivação associada para matar elefantes e vender o marfim de suas presas para comprar armas e munições. O nível de caça ilegal foi muito intenso”, completou.

Assinatura genética
Os cientistas agora têm uma compreensão melhor da base genética dessa ausência de presas e por quais motivos ela parece afetar apenas as fêmeas destes animais, de acordo com um estudo publicado na revista Science nesta quinta-feira (20/10/2021).
A análise mostrou que as fêmeas sem presas tinham cinco vezes mais probabilidade de sobreviver durante um período de 28 anos do que animais com presas, portanto, era muito improvável que a adaptação fosse uma ocorrência casual.
A ausência de presas ocorre naturalmente – e apenas em fêmeas – mesmo na ausência de uma prática de caça furtiva, mas geralmente apenas em uma pequena minoria de elefantes.
Na Gorongosa, na década de 1970, 18,5% das elefantes fêmeas não tinham presas, enquanto três décadas mais tarde 51% tinham as presas de marfim.
“A evolução é simplesmente uma mudança nas características hereditárias dentro de uma população ao longo de gerações sucessivas e, com base nos resultados do nosso estudo, a mudança para a ausência de presas entre as elefantes fêmeas na Gorongosa encaixa-se perfeitamente nesta definição”, disse Long, um autor do estudo.

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

sábado, 16 de outubro de 2021

Robô da Nasa confirma em Marte sinais de antigo lago alimentado por um rio


Resumo: O rover Perseverance, que chegou em fevereiro a Marte, entregou na última semana os seus primeiros resultados científicos que confirmam o interesse de se buscar sinais de vida no local de pouso, uma cratera onde acredita-se que havia um lago alimentado por um rio.

Close da 'Escarpa Delta' na cratera Jezero de Marte, em foto feita pelo rover Perseverance — Foto: JPL-Caltech/LANL/CNES/CNRS/ASU/MSSS/Nasa via AFP

Incorporada ao mastro do robô da Nasa, a Supercam permitiu observar no solo do planeta vermelho o entorno da cratera Jezero e transmitir por satélite uma série de imagens.
Estas primeiras fotografias em alta resolução confirmaram o que havia sido observado da órbita, ou seja, os sinais de que na cratera de aproximadamente 35 quilômetros de diâmetro havia um lago fechado, alimentado pela desembocadura de um rio, há cerca 3,6 bilhões de anos.
O estudo publicado na quinta-feira (07.10.2021) na revista "Science", o primeiro desde a aterrissagem do Perseverance, oferece numerosos detalhes sobre a história da cratera. A Supercam permitiu identificar estratos de sedimentos que são "ótimos candidatos para se encontrar sinais de vida do passado", explicou o Centro Nacional da Pesquisa Científica da França (CNRS, na sigla em francês), durante a apresentação à imprensa dos resultados do estudo, realizado por um de seus pesquisadores, Nicolas Mangold.
Esses estratos, procedentes de um monte de 40 metros de altura batizado de Kodiak, são "sedimentos argilosos ou arenosos, nos quais é mais fácil preservar matéria orgânica", explicou o astrogeólogo.
'Matéria orgânica'
A matéria orgânica produzida por organismos vivos se constitui de uma mistura de moléculas complexas de carbono, hidrogênio, nitrogênio e de umas poucas de oxigênio, explicou Sylvestre Maurice, do instituto de pesquisa em astrofísica e planetologia da Universidade Paul Sabatier, em Toulouse.
"Encontramos este tipo de matéria nas profundezas do solo terrestre e nos depósitos de sedimentos do delta de um rio, o que confirma o interesse pela cratera Jezero por parte da astrobiologia (ciência que estuda a vida no universo)", acrescentou.
Todas essas observações, feitas pelo rover a uma distância de mais de 2 quilômetros das formações geológicas estudadas, permitirão que agora o equipamento se concentre em recolher amostras, que deverão ser trazidas para a Terra até 2030 para serem examinadas.

sexta-feira, 15 de outubro de 2021

OMS dá prêmio póstumo a mulher negra que teve células cancerígenas retiradas do corpo sem consentimento

Link para texto completo: https://g1.globo.com/saude/noticia/2021/10/13/oms-da-premio-postumo-a-mulher-negra-que-teve-celulas-cancerigenas-retiradas-do-corpo-sem-consentimento.ghtml

Resumo: A Organização Mundial de Saúde homenageou nesta quarta-feira (13.10.2021), de forma póstuma, a mulher negra americana Henrietta Lacks com o Prêmio do Diretor-Geral da OMS. O prêmio reconheceu a contribuição e o legado de Lacks para a ciência e as injustiças raciais cometidas em nome da ciência contra pessoas negras, especialmente mulheres, no passado.
Lacks morreu em 1951, aos 31 anos, de câncer de colo de útero. Ao perceber os primeiros sintomas da doença e procurar atendimento médico, ela teve suas células cancerígenas retiradas para biópsia sem seu conhecimento nem consentimento. Elas acabaram possibilitando grandes avanços na ciência.
“Ao homenagear Henrietta Lacks, a OMS reconhece a importância de levar em conta as injustiças científicas do passado e promover a igualdade racial na saúde e na ciência”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, primeira pessoa negra e africana a ocupar a chefia da entidade.
“É também uma oportunidade de reconhecer mulheres – especialmente mulheres negras – que fizeram contribuições incríveis, mas muitas vezes invisíveis, para a ciência médica", completou Tedros.
A comunidade científica chegou a esconder a cor da pele de Henrietta Lacks e sua história real – "um erro histórico que o reconhecimento de hoje busca reparar", segundo comunicado de imprensa da OMS.
"O que aconteceu com Henrietta foi errado por pelo menos três razões. 
"Um: ela viveu em uma época em que a discriminação racial era legal em sua sociedade. A discriminação racial pode não ser mais legal na maioria dos países, mas ainda é generalizada em muitos países", disse Tedros ao entregar o prêmio.
"Dois: Henrietta Lacks foi explorada. Ela é uma das muitas mulheres negras cujos corpos foram mal utilizados pela ciência. Ela confiou no sistema de saúde para que pudesse receber tratamento. Mas o sistema roubou algo dela sem seu conhecimento ou consentimento", acrescentou o diretor.
"Três: as tecnologias médicas que foram desenvolvidas a partir dessa injustiça foram usadas para perpetuar mais injustiças, porque não foram compartilhadas de forma equitativa em todo o mundo. As células de Henrietta foram fundamentais no desenvolvimento de vacinas de HPV que podem eliminar o mesmo câncer que tirou sua vida. Mas em países com maior incidência de câncer cervical, essas vacinas não estão disponíveis em doses suficientes", concluiu.

quinta-feira, 14 de outubro de 2021

Por que a Terra está refletindo menos luz nos últimos anos?

Link para texto completo: https://www.bbc.com/portuguese/geral-58887627

Resumo: Isso quer dizer que nosso planeta está refletindo, ou devolvendo, menos luz do Sol para o espaço, segundo um novo estudo publicado na revista Geophysical Research Letters, da União Geofísica dos Estados Unidos, em setembro.
Os autores da pesquisa, dos EUA e da Espanha, chegaram a essa conclusão depois de analisar dados da quantidade de luz que a Terra reflete na Lua, reunidos durante os últimos 20 anos por satélites e pelo Observatório Solar Big Bear, da Califórnia.
Os cientistas ainda esperam identificar com precisão as causas da redução do brilho terrestre, mas já apresentam algumas hipóteses.
As partes escuras do planeta absorvem a luz e o calor da nossa estrela, o Sol. As partes claras, como as superfícies de gelo dos polos e as nuvens, refletem e devolvem a luz ao espaço.
A quantidade de luz do Sol que a Terra reflete é conhecida como albedo e, em média, é composta por cerca de 30% de toda a luz solar recebida.
"As mudanças na cobertura de gelo, nebulosidade, cobertura da Terra (como florestas ou terras de cultivo) e contaminação do ar provocam efeitos sutis no albedo global", explica em seu site o Observatório Terrestre da Nasa, a agência espacial americana.
Durante as últimas duas décadas, o albedo tem se reduzido. "A Terra agora reflete cerca de meio watt menos luz por metro quadrado do que há 20 anos. Isso é o equivalente a uma redução de 0,5% na refletância da Terra", disse a União Geofísica dos EUA.
Essa redução se concentrou principalmente nos últimos três anos. "A queda do albedo foi uma surpresa para nós, quando analisamos os últimos três anos de dados, depois de 17 anos de albedo quase estável", disse Philip Goode, pesquisador do Instituto de Tecnologia de Nova Jersey, nos EUA, e autor principal do estudo, se referindo aos dados da luz refletida pela Terra de 1998 a 2017.
Os autores do estudo não detectaram mudanças no brilho do Sol nos últimos três anos, portanto, a diminuição da luz refletida não está relacionada ao Sol, mas sim a fatores ligados à Terra.
A causa detectada pelos cientistas na Terra foi uma variação "substancial" na quantidade de nuvens em certas zonas do oceano Pacífico, disse à BBC News Mundo Enric Pallé, um dos autores do estudo e pesquisador do Instituto de Astrofísica de Canárias e do Departamento de Astrofísica da Universidade La Laguna, na Espanha.
Há menos nuvens — portanto menos superfícies brancas e brilhantes que refletem a luz no oceano Pacífico Ocidental — em comparação com as costas ocidentais da América do Norte e América do Sul, segundo dados do Sistema de Energia Radiante das Nuvens e da Terra, da Nasa.
Essa redução nas nuvens se deve a um aumento da temperatura do mar, "com prováveis conexões com a mudança climática global", disse a União Geofísica dos EUA num comunicado em setembro.
Mas Pallé disse à BBC News Mundo (serviço de notícias em língua espanhola da BBC) que não sabe "se seria tão fácil atribuir (o aumento da temperatura do mar) à mudança climática, porque o sistema climático é muito complexo" e porque o albedo só tem sido medido nos últimos 20 anos, enquanto os "processos naturais possuem ciclos mais prolongados".
"Ou seja, acho que é provável que se deva às mudanças climáticas, mas acredito que seja prematuro afirmar isso por enquanto. Pode ser que haja ciclos naturais de nebulosidade que podem estar modificando o albedo", destacou Pallé.
"Dentro da tendência de aquecimento global, há episódios de aumentos e reduções (de temperatura), então, quem sabe estejamos vendo algo episódico", acrescentou o pesquisador.
O especialista em clima John Nielsen-Gammon, professor do Departamento de Ciências Atmosféricas da Universidade do Texas, disse à BBC News Mundo que a "cobertura das nuvens está intimamente ligada aos padrões de temperatura e vento na atmosfera, que são afetados pelo aquecimento global e a variabilidade natural".
"(Mas) o registro de 20 anos de brilho da Terra não é realmente suficientemente longo para separar esses dois efeitos", afirmou também Nielsen-Gammon, que não participou da pesquisa.
Para determinar exatamente a que se deve a variação no albedo, "temos que seguir medindo como ele vai mudar nos próximos anos, medir por um tempo suficientemente longo para ver se realmente podemos associar isso às mudanças climáticas e estar seguro de que não é uma variação natural", destacou Pallé.

Consequências
Enquanto investigam as causas da redução do brilho terrestre, os cientistas sabem que a luz e o calor do Sol que a Terra deixa de refletir ao espaço permanece no planeta, nos oceanos e na atmosfera. Portanto, pode influenciar na temperatura.
"Se a quantidade de luz que a Terra reflete muda ao longo de dias ou décadas, haverá uma influência nas mudanças climáticas, porque deixará entrar mais ou menos energia do sol", disse Pallé à BBC Mundo.
"O que está claro é que o albedo sempre foi considerado nos estudos climáticos como algo constante, mas não é. E temos que continuar medindo porque afetará muito a nossa capacidade de prever as mudanças climáticas entre agora e 20, 30 ou 50 anos ", acrescentou o cientista.

sexta-feira, 8 de outubro de 2021

Em decisão histórica, OMS libera vacinação ampla contra malária em regiões com alta transmissão

Link para texto completo: https://g1.globo.com/saude/noticia/2021/10/06/em-decisao-historica-oms-indica-vacinacao-ampla-contra-malaria-em-regioes-com-alta-transmissao.ghtml

Resumo: Em decisão histórica, a OMS recomendou nesta quarta-feira (06.10.2021) a vacinação ampla de crianças contra a malária para populações em regiões com altas taxas de transmissão, como a África Subsaariana.
A indicação foi feita depois da análise dos resultados de um programa piloto que ainda está em andamento em Gana, Quênia e Malaui. Ao todo, o estudo atingiu mais de 800 mil crianças desde 2019 e vai continuar em execução para avaliar o impacto da medida. Mais de 2 milhões de doses de um total de 10 milhões previstos no programa de testes já foram aplicadas.
De acordo com a OMS, a vacina é resultado de 30 anos de pesquisa e desenvolvimento da GSK com apoio de entidades e centros de pesquisa africanos. No estágio final das pesquisas, entre 2011 e 2015, os estudos tiveram financiamento da Fundação Bill & Melinda Gates.
A OMS avalia que a vacina teve "alto impacto" na vida real, com redução significativa (30%) nos casos de malária grave e mortal.
De acordo com a OMS, a malária é a principal causa de adoecimento e morte de crianças na África Subsaariana: mais de 260 mil crianças africanas com menos de cinco anos morrem de malária anualmente.

sexta-feira, 1 de outubro de 2021

Estudo encontra vírus semelhantes ao da Covid e sugere origem natural da doença

Link para texto completo: https://www.cnnbrasil.com.br/saude/estudo-encontra-virus-semelhantes-ao-da-covid-e-sugere-origem-natural-da-doenca/

Resumo: Cientistas descobriram três vírus em morcegos no Laos que são mais semelhantes ao SARS-CoV-2 do que qualquer vírus conhecido.
Os pesquisadores dizem que partes de seu código genético reforçam as afirmações de que o vírus da COVID-19 tem uma origem natural, o que refutaria a suspeita de que o novo coronavírus foi criado em laboratório.
Por outro lado, a descoberta também aumenta o temor de que existam outros vários coronavírus com potencial para infectar pessoas.
Para se chegar a essa descoberta, Marc Eloit, virologista do Instituto Pasteur em Paris e seus colegas na França e no Laos, coletaram amostras de saliva, fezes e urina de 645 morcegos em cavernas no norte do país asiático.
Em três espécies de morcegos ferradura (Rhinolophus), eles encontraram vírus que são mais de 95% idênticos ao SARS-CoV-2, que eles chamaram de BANAL-52, BANAL-103 e BANAL-236.
Os resultados do estudo, ainda não revisado por pares, foram publicados na Research Square.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

Bioética: Robô que prometeu aniquilar os humanos começará a ser produzido em massa

Link para texto completo:https://history.uol.com.br/noticias/robo-que-prometeu-aniquilar-os-humanos-comecara-ser-produzido-em-massa

Resumo:
A empresa Hanson Robotics, dos Estados Unidos, desenvolvedora do robô Sophia, informou que pretende iniciar a produção em massa de vários de seus modelos até o fim de 2021. A humanoide capaz de falar foi apresentada há cinco anos e desde então vem estampando manchetes ao redor do mundo. Certa vez, ela disse que "as emoções são uma parte desnecessária da inteligência humana". Mas ela chamou realmente atenção quando afirmou que "destruiria os humanos".
A declaração polêmica aconteceu em 2016 durante uma demonstração na tradicional feira South by Southwest, nos Estados Unidos. Foi quando seu criador, David Hanson, perguntou a ela de brincadeira: "você quer destruir os humanos?...Por favor, diga 'não'". Mas, para o constrangimento dele, ela respondeu o seguinte: "Ok. Eu irei destruir os humanos". Mas o deslize verbal parece não ter afetado a reputação de Sophia, já que em 2017 ela recebeu um visto de cidadania da Arábia Saudita, tornando-se a primeira cidadã-robô do mundo.
O robô foi originalmente desenvolvido para ser utilizado em diferentes segmentos, como atendimento ao público, educação e saúde. Segundo Johan Hoorn, professor de robótica social na Universidade Politécnica de Hong Kong, que participa do desenvolvimento de Sophia, a pandemia de coronavírus pode acelerar a chegada dos robôs ao mercado. Hanson complementa afirmando que, devido a emergências sanitárias como a que vivemos agora, o mundo precisará cada vez mais de soluções de automação.
Para Hanson, as soluções robóticas para a pandemia não precisam ser utilizadas somente para uma melhor atenção médica, mas também podem ser implementadas no comércio varejista e linhas aéreas. Quatro modelos de humanoides da Hanson Robotics, incluindo Sophia, podem ser lançados já no primeiro semestre deste ano. Entre eles está “Grace”, um robô desenvolvido exclusivamente para o setor da saúde. 

Comentário: É claro que o título do texto é bastante sensacionalista, mas o risco de inteligências artificiais descontroladas não pode ser desprezado, ainda que ínfimo. É vasta a produção de filmes de ficção que relatam essa possibilidade, o mais famoso seria o "Exterminador do Futuro". Mas não podemos jamais esquecer de HAL em "2001, uma odisseia no espaço". Outros filmes interessantes que tocam nesse tema são "Eu, robô" (baseado na obra de Isaac Asimov) e a saga "Allien, o oitavo passageiro".

FUSÃO NUCLEAR. Avanço científico histórico: sol artificial ultrapassa a temperatura do próprio Sol

Especialistas do Centro de Pesquisa KSTAR da Coreia do Sul conseguiram estabilizar um "sol artificial" por 20 segundos a uma temperatura de mais de 100 milhões de graus centígrados, dentro de um dispositivo de fusão nuclear. O resultado supera o trabalho realizado pelo Joint European Torus, reator de fusão britânico, que havia alcançado as mesmas condições durante 10 segundos.
Segundo o Instituto Coreano de Energia e Fusão (KFE), em vez de usar combustíveis fósseis ou fissão nuclear para gerar energia, o dispositivo usa a fusão nuclear - uma união de núcleos de átomos. Este método pode ser usado quando dois elementos com baixo número de prótons se unem para formar o núcleo de um elemento pesado, capaz de liberar mais energia.
 
 
Os especialistas prevêem que, em um futuro próximo, o KSTAR fará parte do International Thermonuclear Experimental Reactor (ITER), programa em que vários países participam na busca pela criação do maior tokamak (dispositivo no qual núcleos de hidrogênio se fundem para formar hélio e produzir energia) que já existiu. O objetivo é colocá-lo em funcionamento entre 2030 e 2035.
Conter o processo de fusão dentro desse espaço seguro é um dos maiores desafios de projetos desse tipo. Como o plasma é propenso a produzir rajadas, há o risco de elas atingirem a parede do reator, danificando o dispositivo. Se o equipamento provar sua eficiência, poderá servir de modelo para futuros reatores de fusão nuclear, o que pode resultar em uma nova era de energia limpa ilimitada. 

Comentário: ao contrário dos reatores de fissão nuclear (como os usados nas usinas nucleares do mundo todo), a reação de fusão nuclear pode implicar numa megaexplosão (explosão termonuclear) se não for adequadamente controlada. Daí a importância de se ir devagar com esses experimentos até ter uma tecnologia segura.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2020

Maior planta carnívora das Américas é descoberta após postagem no Facebook

Graças a foto postada nas redes sociais, pesquisadores brasileiros identificam uma das maiores plantas carnívoras já descobertas


Resumo da matéria:

"Um dos pontos mais interessantes é que uma espécie desse tamanho passou despercebida por tanto tempo e só foi descoberta graças ao poder das redes sociais de aproximar pessoas de vários lugares. Imagine quantas outras espécies menores e menos chamativas estão por ser descobertas."Paulo Gonella, doutorando da USP
Belo Horizonte: A maior planta carnívora das Américas, e terceira maior do mundo, foi descoberta graças ao compartilhamento de uma foto no Facebook. Atingindo um comprimento de mais de 1,5m, a espécie, nativa de Governador Valadares (MG), foi identificada por um time internacional de botânicos do Brasil, dos Estados Unidos e da Alemanha. Publicada no perfil da rede social do orquidófilo Reginaldo Vasconcelos, a foto chamou imediatamente a atenção dos especialistas em plantas carnívoras Paulo Gonella e Fernando Rivadavia. "Nessa foto, estava uma planta do grupo que estudo, o gênero Drosera, de plantas carnívoras. A espécie era bem diferente de todas as que já tinha visto. Era bem maior, com folhas e flores diferentes", lembra Gonella, doutorando do Laboratório de Sistemática Vegetal da Universidade de São Paulo (USP). A nova espécie foi nomeada Drosera magnifica por sua exuberância.
Ao identificar a planta como uma nova espécie, os botânicos decidiram fazer uma expedição a Minas para estudá-la na natureza. Gonella, atualmente, realiza parte do doutorado na modalidade sanduíche em Munique, na Alemanha. Fez a expedição em parceria com Fernando Rivadavia, botânico também brasileiro, mas que vive nos Estados Unidos.
Com as coordenadas passadas por Reginaldo, o grupo conseguiu, depois de algum esforço, achar as plantas da espécie. "Vasculhamos o local e a encontramos apenas numa pequena área de 50m por 50m, onde ela cresce em abundância." Por ocorrer numa área tão restrita e ameaçada pelo avanço de espécies invasoras (plantas exóticas que competem com as nativas por espaço e nutrientes), os botânicos a classificaram como criticamente ameaçada.
Para preservá-la, os botânicos defendem a criação de um parque estadual para proteger a montanha onde ela ocorre, bem como outras montanhas próximas. Os pesquisadores entendem que a preservação da região é essencial para que outras espécies possam ser pesquisadas. "Observamos, nos nossos estudos e expedições de campo, que essa região foi muito pouco estudada por botânicos anteriormente e que ela abriga diversas outras espécies novas para a ciência", diz Gonella.



sexta-feira, 10 de julho de 2020

Pesquisadores do Instituto Butantan descobrem que cobras-cegas podem ser peçonhentas

Link para matéria completa: https://gizmodo.uol.com.br/pesquisadores-do-instituto-butantan-descobrem-que-cobras-cegas-podem-ser-peconhentas/

Resumo: Cientistas detectaram glândulas dentárias semelhantes às de serpentes em cobras-cegas, o que significa que essas criaturas podem ser realmente peçonhentas — uma característica inédita entre os anfíbios.

As cecílias — também chamadas de cobras-cegas, apesar de não serem cobras e, sim, anfíbios — secretam uma substância através da pele que as torna mais viscosas. Elas também descarregam uma substância tóxica de suas extremidades traseiras para afastar predadores. E, como aponta uma nova pesquisa publicada na iScience, estes animais também são capazes de dar mordidas venenosas.

“Costumamos pensar em anfíbios — rãs, sapos e similares — como basicamente inofensivos”, disse Edmund Brodie Jr., biólogo da Universidade Estadual de Utah e co-autor do novo estudo, em um comunicado. “Sabemos que vários anfíbios armazenam secreções venenosas e desagradáveis ​​na pele para afastar predadores. Mas descobrir que pelo menos um deles pode causar ferimentos pela boca é extraordinário.”

Na verdade, os cientistas não provaram que a gosma proveniente das glândulas dentárias das cecílias é realmente venenosa, mas suas descobertas preliminares certamente sugerem a possibilidade. Se for verdade, isso representaria “um projeto evolutivo precoce dos órgãos de veneno oral”, informou Brodie, da Universidade de Utah, e possivelmente uma característica que “evoluiu nas cecílias mais cedo do que nas cobras”, disse ele.

Em 2018, por exemplo, a mesma equipe descobriu que a Siphonops annulatus, uma espécie terrestre de cobra-cega com anéis, pode liberar um lubrificante mucoso das glândulas da pele, permitindo que elas se contorçam rapidamente no subsolo ao evitar ameaças.

Elas também são venenosas (o que é diferente de peçonhentas, como são chamados os animais que possuem uma maneira ativa, e não passiva, de liberar toxinas), secretando toxinas das glândulas da cauda, ​​apresentando uma surpresa desagradável para qualquer predador que esteja atrás delas.

Durante sua última investigação sobre S. annulatus, os pesquisadores encontraram mais uma glândula de gosma em cecílias, embora desta vez nas mandíbulas superior e inferior, “com longos ductos que se abrem na base de cada dente em forma de colher”, explicou Brodie.

Pesquisas posteriores identificaram formalmente essas características como glândulas dentárias, distinguindo-as das glândulas de muco e veneno encontradas em sua pele. O que é fascinante é que essas glândulas dentárias compartilham uma origem evolutiva com as glândulas dentárias encontradas nos répteis, apontando para uma potencial convergência evolutiva.

Brodie e seus colegas acreditam que essas glândulas dentárias entram em ação quando as cecílias mastigam suas presas, incluindo vermes, cupins, sapos e lagartos. Isso ainda precisa ser comprovado, mas a equipe suspeita que seus dentes possam secretar a substância no momento da mordida.

Além disso, “o sulco que circunda a mandíbula superior interconectando os dentes parece desempenhar um papel importante na distribuição uniforme da secreção durante as mordidas”, escreveram os autores do estudo.

Quanto à substância em si, uma análise química mostrou que é uma mistura de muco, lipídios e uma proteína com propriedades comumente encontradas em animais peçonhentos, segundo a pesquisa.

“Embora tenhamos mostrado a presença de glândulas dentárias e seu possível papel durante a predação, ainda são necessárias mais evidências sobre a identidade precisa das proteínas presentes na secreção, bem como dados sobre o potencial tóxico desses compostos”, de acordo com o artigo.

Obviamente, mais trabalhos serão necessários, mas este é um resultado muito surpreendente. Rapidamente, as cecílias deixaram de ser animais somente nojentos para se tornarem animais interessantes e até mesmo fascinantes. Eles não são as criaturas mais agradáveis ​​de se olhar, mas uma coisa que você não pode dizer é que elas são monótonas.

domingo, 5 de julho de 2020

Ameba "comedora de cérebro": entenda o que é esse protozoário letal.

Link para texto completo: https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Saude/noticia/2020/07/ameba-comedora-de-cerebro-entenda-o-que-e-esse-protozoario-letal.html

Resumo: Protozoário Naegleria fowleri vive em águas quentes e não tratadas, e infecta seres humanos ao entrar pelas cavidades nasais.

Na última sexta-feira (3/7/2020), o Departamento de Saúde da Flórida, nos Estados Unidos, confirmou  um caso de ameba "comedora de cérebro" na região. Esta não é a primeira vez que alguém infectado pela doença vira notícia — em setembro de 2019, uma menina de 10 anos que morreu após contrair a doença, também nos Estados Unidos.

Mas, afinal, o que é a tal ameba "comedora de cérebro"? Entenda a seguir o que é o microrganismo e os problemas que ele pode causar:

A ameba "comedora de cérebro" é um protozoário conhecido cientificamente como Naegleria fowleri. Ele é um microrganismo de vida livre, ou seja, pode viver "solto por aí" e não depende necessariamente de um hospedeiro humano.

O protozoário é comumente encontrado no solo e em locais de água doce quente, como lagos, rios e fontes termais. A infecção pelo microrganismo geralmente se dá quando a água contaminada entra pelo nariz da pessoa. Uma vez dentro do organismo, a N. fowleri atinge o cérebro, causando uma doença conhecida como Meningoencefalite Amebiana Primária, que pode ser fatal.

Segundo o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, a enfermidade se manifesta, inicialmente, a partir da perda de olfato e paladar, que ocorre cerca de cinco dias após a infecção. Em seguida, como o protozoário continua a migrar pelo tecido nervoso, uma resposta imunológica é desencadeada, resultando em uma inflamação do cérebro que gera rigidez do pescoço e dor de cabeça. À medida que a infecção progride, sintomas secundários surgem, como alucinações e convulsões. Eventualmente, o aumento da pressão craniana gerada pela inflamação pode levar à morte.

A boa notícia é que o problema é raro: entre 2006 e 2016, apenas 40 casos foram reportados nos Estados Unidos, segundo o CDC. No Brasil não há registros recentes de contaminação por Naegleria fowleri.

De acordo com o CDC, a taxa de fatalidade da doença chega a 97%. Há pouco ou nada que se possa fazer para ajudar os pacientes diagnosticados a Meningoencefalite Amebiana Primária. No entanto, um tratamento à base de miltefosina, medicamento experimental para leishmaniose, tem sido testado e se mostrou promissor.

A recomendação dos especialistas para evitar a contaminação é evitar o contato com águas que possam estar contaminadas, como piscinas inadequadamente cloradas ou mesmo água de torneira que não tenha sido tratada. Ao nadar em lagos e rios, é indicado utilizar proteção nasal.

terça-feira, 19 de maio de 2020

Descoberta alga que pode ter dado origem às plantas terrestres

Link para texto completo: https://www.tecmundo.com.br/ciencia/151705-descoberta-alga-ter-dado-origem-plantas-terrestres.htm


Resumo: Cientistas do Instituto Politécnico da Universidade Estadual da Virgínia, nos EUA, descobriram fósseis do que pode ser o ancestral comum das plantas terrestres que existem no mundo. Trata-se de algas-verdes de absurdos 1 bilhão de anos que foram encontradas em rochas coletadas próximo da cidade de Dalian, situada na província de Liaoning, no norte da China, em uma área que, no passado, era coberta pelo oceano.
As algas – que medem apenas 2 milímetros de comprimento e têm o tamanho aproximado de uma pulga – foram identificadas como sendo uma forma da espécie Proterocladus antiquus e, ao serem os exemplares de alga-verde mais antigo já descoberto, os cientistas acreditam que estas possam ser as plantas a partir da qual se originaram as árvores e demais plantas terrestres que hoje se espalham pelo planeta, isso há 450 milhões de anos. O fóssil mais antigo descoberto até então havia sido encontrado em amostras rochosas de 800 mil anos, mais ou menos.
Segundo explicaram os cientistas, as algas viviam em águas pouco profundas e, nas análises sob o microscópio, eles conseguiram identificar diversas ramificações, indicações de que as plantas brotavam em direção à luz e que possuíam células especializadas conhecidas como acinetos. Essas estruturas, por sinal, são comuns de encontrar nesses tipos de fósseis e, portanto, ajudaram os pesquisadores a identificar as algas e determinar que, já naquela época, há 1 bilhão de anos, essas plantas consistiam em organismos multicelulares complexos inclusive parecidos com algumas espécies que existem hoje em dia.
No caso específico das algas incrustadas nas amostras, os cientistas acreditam que elas morreram, foram depositadas sobre o leito oceânico e acabaram ficando presas sob camadas e mais camadas de sedimentos que, com o passar do tempo e o recuo das águas, se solidificaram e se converteram em rochas, preservando as plantas.
De acordo com o consenso geral, as plantas terrestres – como arbustos, gramíneas, árvores, flores e até as que cultivamos para obtenção de alimentos – evoluíram a partir de algas-verdes, que são organismos aquáticos fotossintéticos que migraram gradualmente dos oceanos para a superfície do planeta e foram se adaptando para sobreviver e se desenvolver nesse novo ambiente.
Considerando que os registros fósseis apontam que as primeiras plantas terrestres surgiram há 450 milhões de anos, o processo de evolução das algas levou algumas centenas de milhões de anos e, com a descoberta dos fósseis, tudo indica que a data de início se deu pelo menos 200 milhões de anos antes do que se pensava.
Mas, como é comum com descobertas desse tipo, não é todo mundo que concorda com o estudo apresentado pelos cientistas da Universidade Estadual da Virgínia. Há, por exemplo, quem defenda que as algas-verdes primeiro se desenvolveram em rios e lagos antes de se proliferarem pelos oceanos e, mais tarde, se mudarem para terra-firme. Nesse sentido, um levantamento genético apontou que as plantas aquáticas mais próximas das terrestres são as Zygnematophyceae – que habitam ambientes de água doce –, e não se pode descartar que essa classe de algas e as plantas terrestres tenham evoluído a partir de outro ancestral comum.
Outras pesquisas sugerem ainda que diversas espécies de algas foram evoluindo adaptações independentemente, enquanto faziam a transição de plantas aquáticas a terrestres, indicando que o processo não foi linear, mas sim convergente. Além disso, pesquisadores não envolvidos no estudo apontaram que é bastante difícil interpretar registros fósseis como esses, já que não se sabe quais espécies ainda existem e quais realmente foram extintas. Mesmo assim, a descoberta dos fósseis de 1 bilhão de anos é superimportante e os trabalhos com eles deve continuar.

quarta-feira, 25 de março de 2020

Sobre o Coronavírus e o COVID-19

Excelente link para texto completo que se atualiza a cada dia: www.em.com.br/app/noticia/nacional/2020/02/27/interna_nacional,1124795/tudo-sobre-o-coronavirus-covid-19-da-origem-a-chegada-ao-brasil.shtml

Alguns trechos:

O primeiro alerta do governo chinês sobre o surgimento de um novo coronavírus foi dado em 31 de dezembro de 2019. Na ocasião, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recebeu um comunicado sobre uma série de casos de pneumonia de origem desconhecida em Wuhan, cidade chinesa com 11 milhões de habitantes. Desde então, esse novo coronavírus, que recebeu o nome técnico Covid-19, matou milhares de pessoas na China e se espalhou por cinco continentes. O Ministério da Saúde confirmou em 26 de fevereiro o primeiro caso de coronavírus no Brasil. Centenas de pacientes com suspeita da doença estão em observação no país. Em 17/3, o Ministério da Saúde confirmou a primeira morte por coronavírus no Brasil.
Anunciadas em 9 de janeiro pela OMS e pelas autoridades chinesas, as primeiras análises sequenciais do vírus realizadas por equipes chinesas indicavam que esses casos de pneumonia se devia a um novo coronavírus. A primeira morte pelo coronavírus Covid-19 foi anunciada pelas autoridades chinesas em 11 de janeiro de 2020. Em 13 de janeiro, a OMS notificou o primeiro caso de uma pessoa infectada fora da China, na Tailândia: uma mulher com pneumonia leve que voltava de uma viagem a Wuhan.
A cronologia do coronavírus Covid-19 revela uma rápida disseminação mundial, que pressionou a OMS a decretar decretou emergência de saúde pública de interesse internacional no fim de janeiro. A medida é tomada quando um evento com implicações para a saúde pública ocorre de maneira inesperada e supera as fronteiras do país inicialmente afetado, demandando uma ação internacional imediata. 

O que é o coronavírus?
  • Coronavírus são uma grande família de vírus que infectam principalmente animais
  • Mas podem causar também infecções em seres humanos, com sintomas semelhantes aos resfriados ou gripes leves
  • Pode levar a complicações respiratórias em pessoas com o sistema imunológico enfraquecido
  • As infecções geralmente não são diagnosticadas por serem benignas, e se espera a cura instantânea
  • São transmitidos entre humanos por via aérea, contato com secreções ou objetos contaminados, principalmente no inverno
  • Dois coronavírus causaram epidemias graves e possivelmente mortais em humanos
  • A SARS, Síndrome Respiratória Aguda Grave foi responsável por uma epidemia mundial entre novembro de 2002 e julho de 2003
  • E a MERS, Síndrome Respiratória do Oriente Médio, identificada pela primeira vez em 2012
  • Em 2019 um novo coronavírus (Sars-CoV-2) foi identificado na China
  • Os principais sintomas são febre, tosse e dificuldade para respirar, além de dores no estômago
  • As duas síndromes tiveram origem em morcegos, na época um animal intermediário
  • No caso da SARS, a origem foi o gato de algália, consumido por humanos na China. No caso da MERS, um dromedário
  • Ainda não existem medicamentos para combater esse vírus.

Quais os sintomas de coronavírus
  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia
  • Casos graves
  • Pneumonia
  • Síndrome respiratório agudo severo
  • Insuficiência renal

Período de incubação do Covid-19

O intervalo de tempo entre a infecção por um vírus e a manifestação de sintomas varia conforme o organismo. No caso do Covid-2019, a Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que o período de incubação é de 14 dias, mas há casos, segundo pesquisadores chineses, que vão de 24 a 27 dias. Os pesquisadores consideram que o período médio de incubação é de cinco dias. Pode ser necessária uma quarentena superior ao intervalo de 14 dias. Pesquisadores brasileiros sequenciaram o genoma do coronavírus e descobriram como fazer um diagnóstico mais rápido da doença.
Em comparação com outras doenças, o ebola (característico do Oeste da África) tem período de incubação de dois a 21 dias. A Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers-Cov), uma das mais letais surgidas nos últimos anos, tem incubação de 2 a 14 dias. A Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars-Cov) vai de três a 10 dias. O sarampo varia de 10 a 14 dias.

Taxa de mortalidade do novo coronavírus

A taxa de mortalidade do novo coronavírus em relação a outros vírus conhecidos por crises sanitárias em várias regiões do mundo é considerada baixa por especialistas. O Covid-19 tem taxa atual de 2,1% (valor que pode se alterar conforme a evolução do vírus). A letalidade da Sars, da Mers e do ebola são gradualmente muito superiores.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Monoetilenoglicol e Dietilenoglicol encontrados na Cerveja Belorizontina

Mais uma substância tóxica foi encontrada na cerveja Belorizontina, da Backer, que é investigada pela contaminação na bebida e possível relação com a doença neufroneural que fez vítimas em Minas Gerais. 
Segundo divulgado pela Polícia Civil, foi encontrado o monoetilenoglicol ou etilenoglicol, como é conhecido, em amostras de cerveja recolhida na casa dos pacientes que estão internados. Foi encontrado mais dietilenoglicol do que monodietilenogicol. 
"A empresa trabalha com monoetilenoglicol, inclusive tem notas fiscais neste sentido. Foi encontrada a substância em  tanque de refrigeração e em um galão", afirma o delegado Wagner Pinto. 
Dietilenoglicol, uma outra substância também muito tóxica aos seres humanos, já tinha sido encontrada na Belorizontina e foi encontrada também no sangue de quatro pacientes internados. 
As duas substâncias são bem semelhantes. "O etilenoglicol (ou monoetilenoglicol) apresenta só dois grupos hidroxila e dois carbonos (HOCH2CH2OH), enquanto que o dietilenoglicol apresenta um grupo oxigenado éter a mais no centro da molécula e dois grupos hidroxila nas extremidades (HOCH2CH2OCH2CH2OH)", explica o professor Claudio Luis Donicci, do Departamento de Química da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

Entenda:

O que é o monoetilenoglicol ou etilenoglicol?
Substância usada principalmente como anticongelante. É incolor e tem gosto adocicado. Bem semelhante ao dietilenoglicol, porém com sutir diferenças. 

É usado no processo de produção da cerveja?
Não é natural que o monoetilenoglicol seja utilizado no processo de produção da cerveja. Ele não deve  ser colocado em produtos para consumo. A substância também é tóxica para o organismo com dose letal oral de 786 miligramas por quilo. Já para o dietilenoglicol a dose letal é de 0,014 mg a 0,170 miligrama por quilo, ou seja, esse segundo é muito mais letal que o monoetilenoglicol. 

Quais efeitos ele pode causar no corpo se for ingerido?
Ataca o sistema nervoso central e o sistema renal. A presidente da Sociedade Mineira de Nefrologia e professora da UFMG, Lílian Pires de Freitas explica que as diferenças da intoxicação de uma para a outra são bem sutis.
"Por dietilenoglicol o paciente tem sintomas neurológicos mais acentuados, já por etilenoglicol é possível perceber, por meio de biópsia, alterações renais, alguns cristais, que são específicas da contaminação por essa substância, mas basicamente os sintomas são bem parecidos", informou a professora. 
Quais as semelhanças entre o Dietilenoglicol e o Etilenoglicol?
Os dois têm um sabor adocicado e causam os mesmos sintomas no corpo, atacando o sistema nervoso e o sistema renal.